Proposta de Negócio Deixe um comentário

VISÃO GERAL

A maioria das pessoas passam a vida toda procurando uma forma para ser financeiramente independente.  Acertar na loteria não é a melhor aposta.

As principais dificuldades encontradas para quem precisa encontrar uma alternativa  são, principalmente, a concepção  de um projeto viável, aptidão e as  dificuldades financeiras, dentre muitas outras.

A área comercial parece ser a mais adequada para qualquer cidadão, já que é versátil e se  pode tê-la como fonte de  renda principal ou secundária e a qualificação está acessível a todos.

O Comércio  online começou recentemente. Foi uma modalidade nova que até mesmo as leis não previram. A partir da sua concretização observa-se uma tendência crescente  de predominância sobre o sistema tradicional.  

Os novos recursos como o Comércio eletrônico – bitcoin – Cartão de Crédito – Pix – Banco Virtual, etc. Chegaram recentemente e chegaram para predominar, e não tem como fugir disso. Mesmo os pequenos empreendedores  do interior terão que se adaptar e se acostumar com as inovações ou serão extintos.

A realidade é que estamos hoje  em uma fase de transição entre o físico e o cibernético.

Diante disso é oportuno idealizar  um modelo de negócio que abrace os dois mundos:  o antigo e o novo, o físico e o virtual.  e de  forma “ não convencional” como as já tradicionais lojas físicas que têm um site de vendas online simplesmente. Mas um negócio que pode ser de vulto considerável  para os nossos padrões econômicos e financeiros.

Mas, para ser viável, é  preciso que seja iniciado com baixo investimento, já que nossas posses são limitadas, que seja um negócio  com possibilidades de crescimento, que se torne  uma fonte de renda extra, uma atividade alternativa, e que ofereça baixo risco.

Até parece coisa que não existe! E, de fato, assim como negócios na internet não existiam, como cartões de créditos não existiam… Acredito que  podemos idealizar um modelo que nos convém, baseado em nossas disponibilidades e com os nossos recursos, adaptando os modelos  existentes às nossas conveniências e considerando o fundamento do Direito Civil de que tudo aquilo que a Lei não prevê, é legal.

 

DA PROPOSTA

Existem várias formas de constituição de empresas previstas em lei, são elas:

MEI  – EIRELI –  Empresário Individual – Sociedade Empresária Limitada – Sociedade Simples Sociedade Anônima e Sociedade Limitada Unipessoal.

No caso das Sociedades Anônimas podem ser de Capital Aberto ou Capital Fechado, mas apresentam grandes dificuldades para a sua constituição formal.

Então,  consideremos as formas acima como  inspiração,  tomaremos algumas das características  da  MEI, da SLU, da Sociedade Anônima de Capital Fechado e do Holding,  para compor o nosso Projeto.

Uma das vantagens da holding é a diluição do risco do investimento. Isso porque, quando um dos ramos do negócios não vai bem, outra operação pode compensar com um efeito positivo.

Então, o nosso negócio seria um HOLDING de MEIs, funcionando com os princípios de uma empresa S.A de capital fechado. As MEIs, funcionariam para início de negócio. Quando atingir  o limite de faturamento,  passariam para para SLU (Sociedade Limitada Unipessoal)  que é um tipo de sociedade limitada criada em 2019 e que passou a ser admitida na forma unipessoal (formada por apenas um titular),  quem têm como vantagens principais  a   separação do patrimônio pessoal e empresarial e pode ser constituída sem sócios.

TROCANDO EM MIÚDOS:

Para essa empreitada eu tenho disponível  1.000 (mil)  ações virtuais não integralizadas com  preço de R$1.000,00 cada – Total: 1 milhão de reais.

Para formar um capital inicial e constituir um negócio físico,  estarei procurando formas para integralizar 25% das ações, ou seja, 250 x R$ 1.000,00.

Como não tenho esse dinheiro todo, farei a distribuição destas (cotas/ações) a  10 (dez) empreendedores (MEIs) para que sejam transformadas em capital.

Cada MEI deverá integralizar suas 25 ações ( R$ 25.000,00).

Todos os MEIs juntos irão compor uma Holding-MIsta  (tipo já previsto em Lei). É a modalidade em que o participante exerce a atividade empresarial e participa  do capital das outras empresas assim como os outros participa da sua.

Para a Gestão, tomaremos emprestado o conceito das Sociedades Anônimas de Capital Fechado, ou seja:  Será criado um Estatuto que regulamentará o negócio.

Como são 10 participantes, será formado um Conselho Administrativo  rotativo (eleição anual), composto por 05 membros titulares e 05  suplentes.

Cada um, a partir da integralização será o  proprietário das suas ações e as mesmas não poderão  ser vendidas para outros que não seja da Holding, mas permite-se, individualmente, captar recursos de terceiros, sendo que estes não terão participação nas decisões nem assento no Conselho Deliberativo.  Para todos os fins, será considerado apenas o Titular.

Todas as Compras de Produtos das Empresas da Holding, antes de serem concretizadas, deverão passar pela  apreciação  do Conselho que aprovará, em todo ou parcialmente, a compra a ser realizada. Serão analisados:  Tipo de Produto – Quantidades e Preço de aquisição propostos.

Cada empresa componente do grupo administrará uma Categoria e as sub-categorias ou produtos afins para que se especializem nelas.

Todas as vendas, seja no Ponto Físico ou online, serão formalizadas através da Plataforma Web, para que todos os componentes da Holding possam acompanhar a evolução do negócio em tempo real.

Mensalmente será feita a apuração dos resultados e, sendo positivo, resguardado o capital, o excedente será dividido proporcionalmente aos 10 empreendedores independentemente se foi por venda dos produtos que administra ou não.

Havendo necessidade de aumento de capital será disponibilizado aos acionistas da holding um novo lote de ações. Compra quem puder e quiser e quantas lhe convier. Suas responsabilidades e lucros serão proporcionais ao seu investimento.

No regulamento estarão  previstas todas as atribuições e responsabilidades de cada um.

É uma STARTUP que provavelmente, no futuro,  será chamada de HOLDINGME (do inglês “Me Segurando” já que um segura o outro. É uma nova forma de pequenos  montarem  um grande negócio.

Com a formação da HOLDINGMEI  através de MEis, é permitido um faturamento bruto anual de até R$ 81.000,00 X 10 = RR 810.000,00/ano.  Sendo transformado em  Sociedade Limitada Unipessoal (SLU) não tem limite de faturamento.

ESSA É A IDÉIA!
MARCIO LOPES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *